Opinião

Vossa excelência é o que mesmo?

Ao ver ato assinado pelo Presidente da República onde abomina o uso de termos como “vossa excelência” e “doutor” para se referir à autoridade do serviço público, fiquei feliz por alguns segundos quando, ao olhar o teor da matéria, não se estendia ao legislativo e à justiça. Não existe coisa mais chata do que você assistir a um discurso onde, primeiro, o dono da palavra gasta entre dois a quatro minutos só para nomear “excelências” na mesa ou na plateia.



Minha frustração é que, se um dia eu tiver que estar diante de um procurador da república ou autoridade do poder judiciário, terei que dobrar os joelhos e dizer vossa excelência…, por mais que eu ou qualquer outro cidadão, mesmo sendo execrado e humilhado pela arrogância.

No jornalismo, por determinação explícita do jornalista Francisco Cunha Pereira Filho, dono da extinta Gazeta do Povo, era proibido escrever em nossas matérias chamando o personagem de doutor, bem como sua excelência, meritíssimo e assim por diante.

Muitas vezes nos poderes executivo, legislativo e judiciário, um cidadão comum (servidor) é promovido a um posto maior e já exige que o chamem de “doutor”., mesmo sem ter doutorado ou curso universitário. Bem, agora, pelo menos no executivo, no lugar dessas boboseiras deve ser usado apenas “senhor” ou “senhora” como pronome de tratamento.

Material divulgado pelo Palácio do Planalto diz que o objetivo é “promover a desburocratização no tratamento e de eliminar barreiras que criam distinção entre agentes públicos no âmbito do Poder Executivo federal”.

Sei que este artigo pode ser irrelevante mas, enfim, foi um ato do presidente Jair Bolsonaro.

Pedro Ribeiro

Pedro RibeiroPedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.

Facebook Comments
Compartilhe: