Política

Ricardo Barros lança nome à Presidência da República

Brasília – O ministro da Saúde, Ricardo Barros, concede sua primeira entrevista coletiva à imprensa sobre assuntos relacionados à pasta (Wilson Dias/Agência Brasil)

O Paraná pode ter dois candidatos a presidente da República nas eleições de outubro. Além de Alvaro Dias, que trabalha sua pré-candidatura pelo Podemos desde o ano passado, o deputado federal e ex-ministro da saúde, Ricardo Barros, marido da governadora Cida Borghetti (PP) colocou, na noite de quarta-feira, seu nome à disposição do PP para a disputa presidencial. Barros tomou a decisão diante da indefinição do partido, uma das principais legendas do chamado “centrão” sobre a melhor aliança para a eleição de outubro. O anúncio foi feito na tribuna da Câmara dos deputados.



“Caros colegas progressistas: Neste momento da vida pública brasileira, coloco meu nome à disposição do partido para uma candidatura à Presidência da República. Estou completando 30 anos de vida pública. Prefeito de Maringá – PR, cinco mandatos de Deputado Federal, Relator Geral do Orçamento da União, Secretário de Indústria e Comércio do Paraná, Ministro de Estado da Saúde. Uma trajetória de gestão eficiente e comprometimento no trato com o poder público. Tenho consciência que estamos próximos à decisão, mas também sei que há uma oportunidade de ocupar o espaço que ainda é procurado por diversos partidos que buscam uma candidatura de centro para apoiar. Peço a todos os progressistas que avaliem este gesto de desprendimento com o qual inicio este debate. Muito obrigado”, declarou o deputado.

O político tem 30 anos de vida pública, foi prefeito de Maringá, teve cinco mandatos de deputado federal, foi relator geral do Orçamento da União na Câmara Federal, secretário de Indústria e Comércio do Paraná, e, mais recentemente, foi Ministro da Saúde do governo Michel Temer. Ele também já foi candidato ao Senado, em 2010. Ricardo Barros, que é descendente de políticos, tem irmãos, a esposa, o cunhado e a filha na política, disse que a candidatura dele será de Centro. Barros é o terceiro paranaense pré-candidato à presidência da República. O senador Roberto Requião, do MDB, disse que vai colocar o nome à disposição do partido, além do senador Alvaro Dias, do Podemos, que dos três é o tem a candidatura mais consolidada.

O ex-ministro, que deixou o cargo para desincompatibilizar-se e ficar apto a disputar as eleições, explicou que lançou seu nome por ver espaço para uma nova candidatura, num cenário em que grande parte do eleitorado ainda não definiu seu voto, como mostram as pesquisas eleitorais. “Coloquei hoje o meu nome à disposição do Partido Progressista para concorrer à presidência da República. é um momento importante para o país, onde há a necessidade de uma candidatura que reúna as forças de centro, que tenha a bandeira da saúde, a gestão eficiente que tivemos no Ministério da Saúde, o relacionamento com o Congresso de tantos mandatos que aqui estou e, principalmente, a confiança dos companheiros progressitas que queremos conquistar com essa oportunidade, pois temos uma eleição aberta, em que o eleitor ainda não decidiu seu candidato”, declarou.

O movimento de Barros surge no momento em que o PP, assim como outros partidos do “centrão”, aproximavam-se do pré-candidato Ciro Gomes (PDT), gerando descontentamento do Palácio do Planalto. Terceira bancada da Câmara, com 49 deputados, o PP é o maior partido do Centrão e controla os ministérios da Saúde, Cidades e Agricultura – com orçamentos que, juntos, somam R$ 153,5 bilhões –, além de ter o comando da Caixa. A adesão do PP à candidatura de Ciro só não foi fechada ainda porque o governo Temer estaria ameaçando cortas cargos do PP em caso de aliança.

*Paraná Portal- Roger Pereira

Facebook Comments
Compartilhe: