Colunista

Panorama Regional

Ai que dó!



Sinceramente, chega cortar o coração o nível de desmoralização do nosso querido prefeito Zezão, de Santo Antônio da Platina. No final de semana da Efapi, tanto a assessoria de imprensa do deputado Ribas Carli, como do prefeito, divulgaram nas redes sociais a liberação de verbas para o município. No Facebook do parlamentar, saiu R$ 500 mil; na mídia eletrônica “chapa branca”, R$ 1,5 milhão. Uma verba ou outra, não importa, é uma grana legal, que deve ser comemorada.

O problema é que o prefeito anda tão desacreditado perante a comunidade, que se ele vir a público e anunciar que Deus vai instalar uma sucursal do céu na cidade, nem assim o povo se segura: é pau pra todo lado. Numa das páginas divulgando o “feito”, contei mais 50 postagens, Não tinha mais que cinco elogios, isso pra ser bonzinho com Zezão. Difícil saber quem está mais em desgraça com o povo, o presidente Temer ou nosso prefeito, que daqui uns dias estará sendo chamado de professor “Zezinho”.

Mediocridade

Quem presenciou a reunião, realizada semana passada, do Conselho de Cultura de Santo Antônio da Platina, percebe que a mediocridade está cada vez mais encalacrada e tende a se transformar “doença crônica” entre as pessoas que compõem o “staff” da atual administração. Primeiro: destituir o conselho anterior, sem qualquer motivação plausível, só para alargar os tentáculos desta gestão medíocre, para dizer que o grupo do Zé manda na cultura platinense, é a demonstração do quanto estamos pobres, “intelectual e culturalmente”. Simplesmente fecharam as portas para pessoas que só queriam ajudar, dar um pouco de si pela cidade, sem pedir nada em troca!

Segundo: até quando essa gestão vai continuar desrespeitando a população, tomando decisões à revelia da comunidade, como a audiência pública para decidir o orçamento de 2019, ou mesmo mais esta patacoada do Conselho de Cultura?

Cadê minha picape!!!

Após recomendação do Ministério Público, o município de Jaguapitã, no Norte-Central, cancela licitação para compra de uma caminhonete de luxo para uso do gabinete do prefeito. De acordo com a Promotoria de Justiça, as especificações técnicas constantes no termo de referência do procedimento direcionavam seu objeto para a aquisição de uma caminhonete Ford Ranger, sem nenhuma justificativa razoável. A legislação proíbe que os editais de licitação contenham cláusulas que limitem injustificadamente a competição.

E daí seo Mário?

Por falar em picape de luxo, como ficou a licitação para aquisição de uma “cabine dupla” para o gabinete o prefeito Mário Augusto Pereira, de Ribeirão Claro. A concorrência saiu, mas não consta até agora, que fizeram o pedido da “possante”. Uma fonte diz que o prefeito teme a repercussão negativa. Afinal, não fica bem o povo andando a pé, de bicicleta, de ônibus, de fusquinha, enquanto seo Mário passa jogando poeira em sua reluzente!

O velho foro

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de restringir o foro privilegiado, é bom que se diga, só atingiu os 594 deputados e senadores do Congresso Nacional. Os demais 54.400 que gozam do mesmo regime especial não foram atingidos. Sequer arranhados. Pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas, mostrou que 95% dos casos envolvendo políticos com foro, entre 2006 e 2016, poderiam ser julgados com maior celeridade se tramitassem em primeira instância. Sua conclusão seria mais breve e as chances de prescrição menores.

Embromação

O município de Santo Antonio da Platina e Ministério Público assinaram Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) onde se apontou nomes, prazos e penalidades para correção dos desvios de função na administração municipal. No entanto entre os próprios servidores corre a informação de que o acordo está sendo “empurrado com a barriga”  o qual não esta sendo acatado como deveria. Há informação de que existem ordens expressas para que se alguém perguntar se o desvio foi corrigido, mas na verdade é “só para inglês ver”.

Manobra

Foi encaminhado um Projeto de Lei numero 06/2018 para o Legislativo, que deveria ser lido na sessão da Câmara de Vereadores de ontem, com a ideia de burlar o TAC, solicitando alterações dos parágrafos 4º e 5º no artigo 30 da Lei Municipal 02/1993, Esta alteração estaria sendo engendrada para “proteger os nossos”.

 

Benedito Francisquini

Cambaraense, apaixonado pela comunicação e entusiasta da tecnologia

Compartilhe: