Política

Odebrecht tinha responsável por propina desde 1990, diz Marcelo

Bruno Poletti/Folhapress

O ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, afirmou, nesta segunda-feira, em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, que a empresa mantinha um funcionário responsável pelo pagamento de propinas desde 1990. Segundo o empresário, o departamento de Operações Estruturadas da empresa foi criado por Hilberto Mascarenhas, funcionário colocado por Marcelo na função de gerenciar as propinas, em 2005, por iniciativa do funcionário, que passou a fazer um controle dos pagamentos, sem autorização do comando da empresa.



“Nos anos 1980, os pagamentos não contabilizados eram feitos dentro dos próprios projetos. Mas aquele modelo era arriscado e contaminava a contabilidade como um todo. Pensava-se que pessoas estavam roubando a empresa dentro da própria empresa. Então, a partir de 1990, decidiu um modelo em que os pagamentos não contabilizados passariam a ser feitos todos por doleiros e teriam pessoas responsáveis por isso no grupo. Desde então, sempre tivemos uma pessoa responsável por repassar recursos aos doleiros. A última pessoa foi o Hilberto, que fazia a mesma coisa que as outras pessoas faziam, ele pediu a criação de um departamento. Essa foi a única mudança. Mas ele passou a fazer alguns controles e sistemas que ninguém na empresa sabia e a abrir contas de pagamentos, que não era para ser feito, porque era feito por doleiros”, afirmou. “Hilberto não deveria saber quem era o beneficiário e qual o centro de custos. Ele sabia muito mais do que deveria saber. Não era para haver controle, mas ele fez”, acrescentou.

Odebrecht prestou depoimento como réu em ação penal relativa à 26ª fase da Operação Lava Jato, que apura a existência de sistemas para o gerenciamento de propinas dentro da empresa, por onde foram efetuados pagamentos ao casal de publicitário João Santana e Mônica Moura, responsáveis por campanhas eleitorais do PT e de aliados do partido em outros países.

Hilberto Mascarenhas também prestou depoimento nesta segunda-feira, disse que os recursos repassados a Santana eram debitados da “planilha italiano”, que se refere a propinas da Odebrecht ao ex-ministro Antonio Palocci (PT) e que apenas operacionalizava os pagamentos. “A decisão de fazer o pagamento era do líder empresarial. Todos os pagamentos tinham que ser pelo setor de operações estruturadas, por segurança e controle. Era decisão do Marcelo, desde que resolveu criar esse departamento. Não me preocupava com origem e destino. Chegava o pedido para mim, eu pagava”, disse.

*Paraná Portal-Roger Pereira
Facebook Comments
Compartilhe: