Cidades

O que é sensação térmica e por que não ‘fritamos’ quando ela ultrapassa os 80º C

(Foto: EBC)

A informação divulgada pelo Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) de que a sensação térmica na cidade Antonina, a 87 km de Curitiba, chegou a escaldantes 81º C no dia 18 de dezembro, deixou muita gente espantada. Não é para menos. Esta é mais ou menos a temperatura de um cafezinho ou do chimarrão dos gaúchos. É apenas, também, cerca de 20º C a menos do que a temperatura de fervura da água.



É preciso diferenciar, no entanto, um ponto importante: temperatura não é a mesma coisa que sensação térmica.

“Temperatura é a quantidade de calor fornecida pelos raios solares ou pelo ambiente”, explica o meteorologista José Carlos Figueiredo, do Instituto de Pesquisas Meteorológicas da Unesp (IPMet), da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e presidente da Sociedade Brasileira de Meteorologia. “A sensação térmica, por sua vez, leva em conta a temperatura e a umidade relativa do ar.”

Também é preciso colocar na equação o “funcionamento” do ser humano. Nas pessoas, o suor é um mecanismo de perda de calor, saindo pela pele e evaporando e, assim, reduzindo a temperatura corporal e a sensação térmica.

Em ambientes ou climas muito úmidos, a água em forma de vapor, pairando no ar, reduz a taxa de evaporação do suor da pele, e, por isso, faz com que uma pessoa sinta mais calor num local desses do que outra em um ambiente seco de mesma temperatura.

Daí a confusão que há entre os dois conceitos. A temperatura é o valor concreto, real, absoluto do calor – ou do frio – que é medido pelos termômetros. Diferentemente, a sensação térmica é algo subjetivo, que, como a expressão sugere, é o calor ou frio que as pessoas sentem.

Por isso, pode variar de um indivíduo para outro ou até de acordo com a roupa que cada um está vestindo ou do lugar onde nasceu e a que clima está adaptado.

Também deve se observar que mesmo que ela chegue 100º C – como mostram algumas fórmulas de cálculo – a água não ferve, pois objetos e coisas inanimadas não sentem nada, como se sabe.

Para ler a matéria completa na BBC clique aqui.

Facebook Comments
Compartilhe: