Geral

“O que aconteceu foi um equívoco”; crime na UENP

Laurindo Panucci Filho foi ouvido pela Justiça de Presidente Venceslau, em São Paulo, estado onde foi detido

Laurindo foi preso em flagrante pelo crime. (Foto: Colaboração)

professor Laurindo Panucci Filho, de 44 anos, suspeito de matar o diretor Sérgio Roberto Ferreira, 60, da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), passou por uma audiência de custódia na última semana após ser preso pelo crime. Durante o depoimento, ele disse que “tudo não passou de um equívoco”.



O suspeito foi ouvido pela Justiça de Presidente Venceslau, em São Paulo, estado onde foi detido. Segundo a polícia, ele confessou o crime, mas durante a audiência gravada em vídeo, preferiu não dar mais detalhes porque ainda não tinha um advogado.

“Tudo isso não passou de um equívoco. De algo que poderia ter sido evitado e, muitas pessoas envolvidas, não se envolveram à altura do que vinha acontecendo, é isso que eu tenho a dizer. Tudo o que aconteceu foi um equívoco, eu nunca imaginei em tá cometendo um…”, afirmou Panucci, que nesse momento foi interrompido pelo juiz.

O crime

O diretor do campus de Cornélio Procópio da UENP foi encontrado morto na noite da última quinta-feira (20) no interior de um dos blocos da instituição.

A vítima apresentava ferimentos na cabeça provocados por uma ‘machadinha’. A principal hipótese é de que o diretor foi vítima de uma tocaia, já que o professor ligou para ele e marcou uma reunião no prédio da universidade antes de cometer o crime. Panucci teria se revoltado com uma advertência que recebeu e, como vingança, decidiu matar Ferreira.

Segundo o delegado João Manoel Garcia Alonso, o professor tinha um problema de ‘excesso de vaidade’ dentro da universidade. “Ele não admitia situações que envolvessem professores mestres ou especialistas. Testemunhas falaram que ele achava que era o ‘cara’ que sabia de tudo. Ao ver esta carta de advertência, resolveu cometer o crime”, afirmou.

Após o homicídio, o professor fugiu para São Paulo, onde foi preso com a arma do crime, na sexta-feira (21). A Polícia Civil continua a investigar o caso.

Facebook Comments
Compartilhe: