Opinião

O olhar de preocupação do governador Ratinho Junior

Foto: Rodrigo Félix Leal

A foto do governador Ratinho Junior na transferência do comando-geral da Polícia Militar do Estado, realizada nesta quarta-feira, onde o Coronel Péricles de Matos assumiu o lugar da Coronel Audilene Dias Rocha, revela uma imagem de preocupação. Isso se confirmou em seu discurso, onde admitiu que falta contingente policial e que não será possível fazer novas contratações.



Ao fazer esta declaração, quem sabe com forte dose de preocupação e coração apertado, Ratinho Junior está, agora, à frente de um dilema que esperava resolvê-lo com certa tranquilidade, como disse em seus discursos de campanha. O governador tinha conhecimento de que as polícias paranaenses atuam há 15 anos com o mesmo contingente e agora não pode contratar. E dificilmente conseguirá equilibrar esse efetivo, porque sai mais do que entra.

Há informações de que perto de 800 policiais militares vão para a reserva por ano no Paraná. Como substituir este contingente?

Acendeu luz amarela na segurança pública, pois o governador sabe que esta é uma das áreas mais frágeis e perigosas em nível nacional. Ratinho Junior tem à sua frente a Lei de Responsabilidade Fiscal e o orçamento do estado, já aprovado pela Assembleia Legislativa, e tem que cumprir.

Ao mesmo tempo em que o governador deixava transparecer sua preocupação, pensando, com seus botões, que os números que o governo anterior lhe repassou como superavit não estariam batendo com a realidade e necessidades de despesas, Cida Borghetti chegava à solenidade toda sorridente com a certeza de que havia cumprido sua missão.

Com recursos deixados pelo governo anterior ou não, o jovem governador, que tem esperanças em transformar este estado, sabe que, para barrar a criminalidade, precisa investir. Na pauta desses investimentos, especialistas em segurança pública destacam a instalação de câmeras de monitoramento, principalmente em pequenos e médios municípios, já que nas grandes cidades, os prefeitos possuem recursos para isso.

Curitiba, por exemplo, com 74 bairros, precisa desses equipamentos, caso contrário, a responsabilidade não recairá apenas sobre os ombros do prefeito Rafael Greca, mas do governador do Estado. Outro equipamento importante para uso das forças de segurança é o droner já utilizado há anos pela polícia catarinense emgrandes eventos ou aglomerações de pessoas.

O olhar de preocupação de Ratinho Junior pode refletir no olhar de todos os paranaenses.

Pedro Ribeiro

Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.
Facebook Comments
Compartilhe: