Opinião

O chororô dos perdedores nas eleições do Paraná

O chororô não para. Roberto Requião (MDB) insiste em afirmar que o Ibope o tirou da eleição e sequer fala de seu comportamento arrogante e petista em defesa de Lula, diante das câmaras de TV durante a campanha eleitoral. Tem inteligência suficiente o senador para entender que o povo iria dar respostas nas urnas à corrupção e à continuidade de políticos que se perpetuaram no poder. Requião errou na mão e sentiu o golpe. A ele resta ironizar seu adversário, Beto Richa, que, igualmente, naufragou nas urnas.



Beto Richa foi o maior perdedor e poderá ter sua carreira política encerrada precocemente. Para seus assessores (agora ex) que o bajulavam dia e noite o “menino” seria o “futuro presidente do Brasil”. Erraram feio. Aliás, Richa errou ao não perceber que estava rodeado de falsos amigos, de interesseiros e não quis enxergar que poderia ser o responsável direto pelas falcatruas que aconteceram em seu governo. Não se elegeu e ainda prejudicou o filho, Marcelo Richa. Um desastre.

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca também perdeu. Não elegeu nenhum deputado e durante toda sua campanha em favor da governadora Cida Borghetti não houve crescimento nas pesquisas, pelo contrário, ela acabou perdendo pontos e por pouco não perde, também, para João Arruda. Ricardo Barros, com apenas 80 mil votos também foi um perdedor. Greca terá que rezar na cartilha de Ratinho Junior para poder tentar se reeleger porque sozinho não conseguirá.

João Arruda foi um guerreiro. Nomeado na última hora para ser o soldado de linha de frente do partido, o MDB, não decepcionou. Embora com uma eleição à Câmara Federal praticamente ganha e onde seria um dos mais votados, aceitou o desafio e em nenhum momento mostrou fraqueza, pelo contrário, revelou ao povo paranaense ser um cidadão preparado para exercer a política. Acredito que Roberto Requião o prejudicou e se a campanha se prolongasse para mais uma semana ele passaria Cida Borghetti.

As derrotas de Valdir Rossoni e Luiz Cláudio Hauly à Câmara Federal, também nos mostra mudança de comportamento do eleitor, assim como a renovação de 40% na Assembleia Legislativa que teve, como campeão de votos, o delegado Francischini, protagonista do episódio do “camburão” do dia 29 de abril na Assembleia Legislativa. Ficaram de fora também na Alep Nereu Moura, Elio Rush, Péricles de Mello e outros que já estavam no terceiro ou quarto mandato.

Pedro Ribeiro

Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.
Facebook Comments
Compartilhe: