Cotidiano

Maior cidade da Amunorpi está sem delegado titular há mais de 30 dias

Nome do novo chefe da 38ª DRP de Santo Antônio da Platina ainda é discutido pela cúpula da Secretaria Estadual de Segurança Pública do Paraná

38ª Delegacia Regional de Polícia está sem delegado titular há mais de 30 dias (Luiz Guilherme Bannwart)

Maior cidade da região da Amunorpi (Associação dos Municípios do Norte Pioneiro), Santo Antônio da Platina está sem delegado titular de Polícia Civil há mais de 30 dias. Desde que deixou o cargo no dia 24 de maio, Tristão Antônio Borborema de Carvalho permanece, provisoriamente, em regime de acumulação, presidindo apenas situações que demandem prisão em flagrante e conclusão dos inquéritos policiais com investigados presos.



Tristão de Carvalho comandou a 38ª Delegacia Regional de Polícia por pouco mais de cinco anos. Antes de assumir a chefia da unidade, por três anos, foi delegado titular da Comarca de Ribeirão do Pinhal, para onde retornou no fim de maio por razões pessoais conforme decisão do Conselho da Polícia Civil.

No período em que esteve à frente da 38ª DRP, Tristão de Carvalho solucionou casos emblemáticos de homicídios como o da professora Aline Messias, ocorrido em 2012. Ela foi asfixiada e, em seguida, golpeada diversas vezes com uma chave de fenda. Luiz Fernando Dias foi preso pela equipe do delegado Tristão de Carvalho com principal suspeito e confessou o crime.

No início do ano de 2017, a disputa pelo território do tráfico de drogas na cidade deixou quatro mortos em menos de 30 dias, e a eficiência dos trabalhos realizados pela polícia, mais uma vez, ganharam destaque na imprensa regional. O Setor de Inteligência da 38ª DRP, em conjunto com o Serviço de Inteligência da Polícia Militar (P2), em curto período de tempo esclareceu os homicídios e o delegado Tristão de Carvalho indiciou os autores.

Ao longo dos cinco anos na chefia da Delegacia de Polícia Civil de Santo Antônio da Platina, Carvalho deflagrou diversas operações de combate ao tráfico de drogas em ações integradas com a Polícia Militar, que resultaram na prisão de traficantes e na apreensão de grande quantidade de entorpecente que seria comercializado na cidade.

Outro dado importante diz respeito aos casos de furtos e roubos na cidade, que reduziram de forma expressiva em consequência dos trabalhos diligenciados por Tristão de Carvalho e resultaram na prisão de vários criminosos.

Para muitos moradores, comerciantes e autoridades a cidade perdeu um grande delegado de polícia com a saída de Tristão de Carvalho. “O doutor Tristão realizou um trabalho de excelência no comando da nossa Delegacia, e só deveria sair daqui para assumir a chefia da Polícia Civil em alguma região do Estado, mas sua decisão deve ser respeitada. Santo Antônio da Platina tem 45 mil habitantes, e alto índice de criminalidade, o que exige outro delegado com o quilate do doutor Tristão. É preciso escolher a dedo!”, pondera o vereador José Jaime Mineiro (PSDB).

De acordo com o delegado-chefe da 12ª Subdivisão Policial de Jacarezinho, Amir Roberto Salmen, o nome do substituto de Tristão de Carvalho ainda está sendo discutido pela cúpula da Polícia Civil. “Ainda estamos estudando a questão junto ao comado da Polícia Civil em Curitiba para que possamos colocar uma autoridade policial que supra as necessidades do município, e que venha à altura do doutor Tristão (de Carvalho), razão pela qual o nome do novo titular da 38ª DRP ainda está demorando um pouco”, justifica Salmen.

Facebook Comments
Compartilhe: