Cidades

Disputa judicial impede funcionamento de UTI

Empresa que perdeu licitação entra na justiça e obtém liminar que suspende contratação de vencedora

Disputa judicial impede o funcionamento dos 10 leitos da UTI adulta do HRNP – (Antônio de Picolli)

Uma liminar judicial, obtida por uma empresa de Curitiba que perdeu a licitação para operacionalizar a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), do Hospital Regional do Norte Pioneiro (HRNP), sediado em Santo Antônio da Platina está impedindo o funcionamento da unidade, com capacidade para 12 leitos. Este teria sido o motivo pelo qual a inauguração da UTI, que deveria ter ocorrido no último dia 14, foi suspensa.



A informação da liminar judicial obtida pela empresa curitibana, cuja identidade não foi revelada, foi passada na tarde de ontem pelo diretor geral do HRNP, Alfredo Ayub, que admitiu não ter detalhes do caso, recomendando que a reportagem entrasse em contato com do Departamento Jurídico da FUNEAS – Fundação Estatal de Atenção em Saúde do Estado do Paraná, responsável pela gestão do hospital. No entanto, todas as tentativas para obter informações foram infrutíferas porque o telefone do setor estava constantemente ocupado.

A empresa vencedora Provida União de Serviços Médicos, liderada pelo médico platinense Anderson Hinterlang, apresentou sua defesa, através do advogado Adrian Hinterlang, que representou a prestadora de serviços na licitação. Segundo informações dos representantes legais, a alegação da concorrente é que teria faltado documentos na fase de habilitação, mas nada de anormal teria ocorrido durante o procedimento, tanto que a concorrência foi homologada e o contrato assinado no dia 22 de novembro.

Uma fonte revelou à reportagem que o início de operação da UTI vinha sendo postergado de maneira inexplicável, já que está tudo pronto há meses e não há justificativa para a unidade continuar desativada, enquanto pacientes em estado grave têm que ser removidos para outros centros médicos já que a UTI da Santa Casa de Jacarezinho não consegue suprir a demanda regional. ‘É, no mínimo, muito estranho!”, lamentou o informante.

A judicialização do processo licitatório causa apreensão em toda região. A entrada em operação da UTI do Hospital Regional vinha sendo aguardada com muita expectativa, pela sua importância estratégica numa região de quase 300 mil habitantes, com apenas uma unidade de 12 leitos funcionando em Jacarezinho e que não consegue suprir a demanda regional.

O HRNP possui também uma UTI neonatal que funciona há vários anos, responsável por salvar a vida de centenas de pacientes anualmente. Dirigida pela médica Carla Abreu, que realiza um trabalho de alta eficiência e humanidade, reconhecido pela comunidade regional, a unidade tem papel relevante na reversão dos números envolvendo mortalidade infanto-juvenil.

Com relação à equipe da Provida, vencedora da licitação para gerir a UTI adulta, a empresa traz a chancela de uma equipe com experiência de 10 anos na condução da unidade da Santa Casa de Jacarezinho, são profissionais médicos e enfermeiros da mais alta qualificação profissional. A comunidade espera que a disputa judicial não se arraste por muito tempo, pois as vidas dos pacientes dependem de seu funcionamento.

Facebook Comments
Compartilhe: