Esporte

Atlético confirma que goleiro Santos mexendo no celular era ação de marketing com patrocinadora

Clube participa de ação para conscientizar motoristas sobre uso do celular no volante

Márcio Lara e goleiro Santos participam da entrevista para explicar a polêmica. (Monique Vilela/Banda B)

O lance mais inusitado da rodada do Campeonato Brasileiro foi o goleiro Santos mexendo no celular antes da partida do Atlético contra o Atlético-MG, na Arena da Baixada. O clube manteve o mistério por algumas horas, mas revelou que trata-se de uma ação de marketing em parceria com a Uber. A informação já havia sido antecipada pela Banda B.



O acontecimento é uma ação sobre o Maio Amarelo, que alerta os motoristas sobre o uso de celular no volante. “Como no campo realmente não pode, eu gostaria de conscientizar todo mundo sobre o uso do celular no carro. É a causa de muitos acidentes no carro. Mais que tomar um gol é sofrer um acidente por distração no celular. Esse foi o verdadeiro motivo do celular estar comigo no campo”, explicou o goleiro do Atlético.

Já o vice-presidente do Rubro-Negro, Márcio Lara, comemorou a participação na campanha do Maio Amarelo e agradeceu à Santos e também ao técnico Fernando Diniz por aderirem à ação. “Nos sentimos orgulhosos de ter participado disso e ter esse compromisso social. A maioria das pessoas faz isso diariamente de mexer no celular enquanto dirige. Não mexa no celular enquanto dirige e essa é a mensagem que o Atlético deixa”, comentou.

“Em nome da direção do Atlético, eu gostaria de agradecer a coragem do goleiro Santos e também do nosso treinador Fernando Diniz de entenderem o que acontece no trânsito. [Clube] foi escolhido para se engajar nessa campanha e tudo foi planejado. Os riscos também foram calculados, principalmente dentro de campo. Houve um desvio de atenção antes do jogo, mas isso não influenciou na atuação da partida”, acrescentou o dirigente atleticano.

Entretanto, o Atlético não consultou a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para manter o suspense da ação e corre risco de ver o goleiro ser denunciado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no artigo 258 (assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código).

Segundo Márcio Lara, o clube não teme nenhuma denúncia por parte do STJD já que a ação não atrapalhou o desenrolar da partida. “Não foi pedido autorização para que a campanha tivesse um resultado efetivo. Como não teve nenhum tipo de problema desportivo, até porque a ação foi feita antes da bola rolar, não teria cabimento qualquer tipo de punição”, disse.

Santos mexeu no celular instantes antes da bola rolar na Arena da Baixada e as imagens do momento rapidamente viralizaram nas redes sociais. Questionado sobre o assunto, o técnico Fernando Diniz disse que não tinha conhecimento. “Não tenho conhecimento. Acho estranho, por que o Santos é um jogador muito responsável, acho estranho. Não quero. A gente precisa saber porque isso aconteceu. Estou sabendo agora”, declarou.

*Banda B-Pedro Melo com informações de Monique Vilela

Compartilhe: