Esporte

Andrés diz que penhora de taça do Mundial é ação midiática: “Pelo menos temos duas para penhorar, né?”

Universidade cobra dívida no valor de R$ 2,48 milhões, e Andrés promete resolver em 48h

Andrés Sanchez falou sobre a penhora da taça do Mundial — Foto: Antonio Cícero / Photopress / Estadão Conteúdo

Presidente do Corinthians, Andrés Sanchez deu entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira, no CT Joaquim Grava, e falou sobre o mandado de penhora e avaliação da Taça do Mundial de Clubes de 2012, exposta no Memorial, expedido pelo juiz Luis Fernando Nardelli, da 3ª Vara Cível de São Paulo.

Trata-se de uma decisão favorável ao Instituto Santanense de Ensino Superior, que desde 2008 cobra do Corinthians uma dívida de R$ 2,48 milhões.



– Pelo menos o Corinthians tem taça de Mundial, duas, para penhorar, né? Temos terrenos, ônibus, carros, patromônios, mas quiseram a taça do Mundial, é provado que o Corinthians tem dois Mundiais, e quiseram isso – ironizou.

– É um processo desde 2005 ou 2006, não lembro, era uma faculdade que tinha no Parque São Joge, teve um rompimento, as duas partes entraram na Justiça, tanto a faculdade como o Corinthians, eles têm a receber e nós também. Estamos há dois meses negociando um acordo, estava bem adiantado, mas infelizmente os advogados queriam uma nota midiática e fazer esse negócio da taça. Em 48 horas vamos resolver, sem problemas, não tem mais acordo, vamos pagar e depois esperar o processo para receber nossa parte. Mas é uma ação midiática, os advogados devem torcer para outro time e fizeram isso. Temos terrenos, ônibus, patrimônios, quanto vale a taça no valor financeiro? Mas é direito deles, vamos resolver – explicou o dirigente.

Dez anos atrás, a faculdade processou o Corinthians, alegando que clube dificultava o acesso a alunos e funcionários a um campus que funcionava no Parque São Jorge. Em 2010, na primeira decisão sobre o caso, o Corinthians foi condenado a indenizar a instituição. Como essa dívida nunca foi paga, o Instituto Santanense continuou insistindo.

Em agosto deste ano, o Instituto Santanense tentou – sem sucesso – bloquear uma parte do dinheuro que o Corinthians receberia pela venda de Rodriguinho ao Pyramids FC, do Egito. No mês passado, o mesmo juiz Luis Fernando Nardelli determinou o bloqueio de parte da premiação a que o clube teria direito por ter sido vice campeão da Copa do Brasil. Na época, o Corinthians admitiu ter uma dívida com a faculdade, mas alegou que “o valor ainda se encontra em discussão judicial”.

Sem ter conseguido receber o dinheiro, a instituição então pediu a penhora da taça do Mundial. E o juiz aceitou.

* Bruno Cassucci — São Paulo

Facebook Comments
Compartilhe: