Cidades

A exuberância dos ipês da avenida Coronel Oliveira Motta

Colorido da estação deixa um dos cartões postais da cidade ainda mais fascinante

Avenida Coronel Oliveira Motta (Foto: Edmilson Maciel)

O inverno chega, e com ele a exuberância da florada dos ipês em Santo Antônio da Platina. Nesta época do ano, a espécie rosa deixa a avenida Coronel Oliveira Motta ainda mais sedutora, assim como nas demais estações em que as plantas roxas, brancas e amarelas harmonizam a paisagem encantadora. O espetáculo é registrado por meio de celulares ou máquinas fotográficas, ou simplesmente admirado por pessoas fascinadas com a magia de cores que a natureza proporciona. São dezenas de árvores de espécies variadas, que a cada época do ano mudam o tom de um dos cartões postais da Cidade Joia.



A cidade que fascina com seus ipês coloridos é uma das poucas no Norte Pioneiro a manter em atividade um viveiro municipal para o cultivo de mudas. Um projeto criado há quase duas décadas no Paraná pelo governo Jaime Lerner tinha por objetivo incentivar o processo de arborização urbana e rural, e o reflorestamento em áreas degradadas, mas infelizmente não prosperou na grande maioria dos municípios contemplados na região. Batizado como Florestas Municipais, inexplicavelmente o projeto socioambiental custeado pelo Estado foi deixado de lado pelos gestores pouco tempo depois de ser implantado. Em Santo Antônio da Platina, no entanto, a exuberância e tradição dos ipês justificam a manutenção do espaço.

O servidor municipal Antônio de Carvalho é o responsável pelo cultivo das mais variadas espécies de mudas oferecidas no viveiro construído no Parque Ecológico Municipal há 17 anos. São mais de 500 mudas por mês, em média, distribuídas aos moradores.

Atualmente, o viveiro municipal oferece mais de três mil mudas para o plantio. Entre as espécies mais solicitadas, Carvalho destaca os ipês (amarelo, roxo, branco e rosa), a araucária, o jacarandá, a gurucáia, a aroeira, a pimenteira, o cedrinho, o jamelão, o araçá vermelho, a pata-de-vaca e o sabugueiro. “As mudas são distribuídas gratuitamente à comunidade local, basta ao interessado apresentar um documento pessoal e um comprovante de residência”, orienta servidor.

Entre janeiro e agosto de 2017, a Secretaria Municipal de Agricultura e do Meio Ambiente distribuiu 3,7 mil mudas para reflorestamento de reserva legal, recuperação de mata ciliar e arborização urbana.

O custo de manutenção do viveiro ao município é praticamente zero. O quadro de funcionários é composto por servidores municipais, e o substrato e as sementes fornecidas por produtores rurais ou extraídas das próprias árvores catalogadas no parque. O custo médio por muda varia entre R$ 0,15 e R$ 0,20.

Facebook Comments
Compartilhe: