Domingo, 18/02/2018

Segurança 07/02/2018


Mortes por afogamento sobem 125% no Paraná

Desde o dia 21 de dezembro já foram registrados 36 óbitos em rios, lagos e praias do Estado


Bombeiro vigia praia no Litoral: no Carnaval, será reforçado (foto: Franklin de Freitas)
Os dias de calor da temporada de verão estão sendo repletos de tragédias pelo Paraná. Segundo informações do Sistema de Registro e Estatística de Ocorrências (SYSBM) do Corpo de Bombeiros, o número de mortes por afogamento disparou em 2017-2018, com crescimento de 125% na comparação com a temporada anterior.

Até ontem haviam sido registrados 821 ocorrências em todo o Estado com 36 mortes. Já no verão anterior, o número de ocorrências até foi maior, com 974, mas o total de mortes entre os dias 20 de dezembro e 6 de fevereiro eram bem mais baixos, com 16. A maior parte dos atendimentos (94,6% ou 777) ocorreram no litoral paranaense, que registrou ainda três mortes.

Com a proximidade das festas carnavalescas, torna-se ainda mais importante o alerta à população. É que tais ocorrências costumam estar relacionadas à ingestão de bebida alcoólica antes do banho de mar, o que faz com que os banhistas não percebam os riscos e acabem se sujeitando ao perigo. Nas praias, o problema ainda é minimizado pela presença de salva-vidas. Mas em outros lugares, como rios e lagoas, é essencial a prudência do indivíduo.

“Resgate de pessoa bêbada é o que mais tem. O cara bebe e aí já vira nadador, vira tudo. É sempre o carro-chefe das ocorrências, ao lado da retirada de material flutuante da água”, afirma o cabo Manosso, que atua em Guaratuba. Ainda segundo o militar, no litoral paranaense a maioria das ocorrências envolvem moradores da Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

Cavas concentram os casos mais graves da temporada

Se a maior parte das ocorrências neste verão foram registradas no litoral do Paraná, por outro lado a maioria dos casos graves ocorrem em cavas (que existem aos montes na RMC), vitimando principalmente homens com idade entre 16 e 23 anos. Nadar nesses lugares pode ser perigoso, já que não há como saber qual é o relevo do local escolhido para banho além de poder haver buracos, galhos, limo ou outros obstáculos que dificultam ou impedem a saída da água. Por isso, o recomendado para a prática de atividades aquáticas é que as pessoas procurem locais com guarda-vidas. Já caso veja alguém se afogando, o cidadão não deve entrar na água para tentar ajudar, pois pode se tornar mais uma vítima.

Segurança no mar será reforçada no Carnaval com mais guarda-vidas

As ações do Corpo de Bombeiros no Litoral do Estado serão reforçadas durante o Carnaval, principalmente quanto à segurança dos banhistas. Além dos 89 postos guarda-vidas e dos 660 bombeiros militares que já atuam no Verão Paraná 2017/2018 desde dezembro, haverá mais 21 guarda-vidas militares trabalhado durante o dia, além de viaturas de patrulhamento à noite nas avenidas da orla com guarda-vidas para casos emergenciais que ocorram entre os postos. Nesta sexta-feira chegam ao Litoral mais seis viaturas para o reforço. O Corpo de Bombeiros também conta com 34 guarda-vidas civis para auxiliar nas atividades de prevenção aos perigos na água.

2018 - TANOSITE - Todos os direitos reservados
plataforma desenvolvida por Rodrigo Campos (43) 9 8814-5432