Sábado, 24/02/2018

Paraná 01/02/2018 - Massa News


Em janeiro chuvoso, Defesa Civil emitiu 89 alertas de tempestade


(Foto: Agência Estadual de Notícias)
O primeiro mês de 2018 foi marcado pela chuva praticamente constante. Em todo o estado a precipitação registrou índices acima da média histórica e junto com as tempestades, vieram também os alertas emitidos pela Defesa Civil.

O serviço que funciona desde outubro do ano passado – um dos primeiros do país – enviou durante todo o mês de janeiro 89 alertas de eventos meteorológicos severos, como tempestades e vendavais.

Este foi o mês mais movimentado desde o início do serviço. Em média, foram três alertas disparados por dia a cidades de todo o Paraná. Em alguns municípios, mais de uma mensagem foi enviada por dia.

Condições meteorológicas
Cinco pessoas trabalham no sistema de alerta, que funciona 24 horas por dia. O chefe do centro estadual de Gerenciamento de Riscos e Desastres, Tenente Anderson Gomes das Neves, explica que as informações são repassadas pelos órgãos de meteorologia, como Simepar e CPTEC/INPE, por exemplo. Os agentes verificam os alertas e, conforme a relevância do evento meteorológico, enviam as mensagens de SMS para os paranaenses.

“Recebemos a informação dos órgãos, visualizamos no radar e emitimos o alerta. Verificamos onde está o sistema e para onde ele está se deslocando”, afirma o Tenente. Assim que eles identificam a situação, a equipe consulta os meteorologistas para levantar mais detalhes da ocorrência.

(Foto: Agência Estadual de Notícias)
O primeiro mês de 2018 foi marcado pela chuva praticamente constante. Em todo o estado a precipitação registrou índices acima da média histórica e junto com as tempestades, vieram também os alertas emitidos pela Defesa Civil.

O serviço que funciona desde outubro do ano passado – um dos primeiros do país – enviou durante todo o mês de janeiro 89 alertas de eventos meteorológicos severos, como tempestades e vendavais.

Este foi o mês mais movimentado desde o início do serviço. Em média, foram três alertas disparados por dia a cidades de todo o Paraná. Em alguns municípios, mais de uma mensagem foi enviada por dia.

Condições meteorológicas
Cinco pessoas trabalham no sistema de alerta, que funciona 24 horas por dia. O chefe do centro estadual de Gerenciamento de Riscos e Desastres, Tenente Anderson Gomes das Neves, explica que as informações são repassadas pelos órgãos de meteorologia, como Simepar e CPTEC/INPE, por exemplo. Os agentes verificam os alertas e, conforme a relevância do evento meteorológico, enviam as mensagens de SMS para os paranaenses.

“Recebemos a informação dos órgãos, visualizamos no radar e emitimos o alerta. Verificamos onde está o sistema e para onde ele está se deslocando”, afirma o Tenente. Assim que eles identificam a situação, a equipe consulta os meteorologistas para levantar mais detalhes da ocorrência.

O sistema conta com 338.251 cadastros e desde o início do projeto foram enviadas 5.155.807 mensagens de alerta

Entre os 89 alertas emitidos em janeiro, 64 foram confirmados por ocorrências registradas em 47 municípios paranaenses. A relação dos terminais que receberam os avisos ainda não foi repassada pela Defesa Civil Federal, mas é possível perceber algumas características conforme a região. No Litoral, por exemplo, a preocupação foi evitar acidentes com raios na praia, enquanto em cidades do interior, o alerta tentou prevenir alagamentos causados pela chuva intensa.

Chuva intensa
Em algumas cidades paranaenses o mês de janeiro foi o mais chuvoso dos últimos 20 anos e os valores acumulados ultrapassaram os 400mm, de acordo com o Simepar. Umuarama foi a cidade onde mais choveu no estado durante o mês. Foram registrados 478,6 mm, enquanto a média histórica é de 150 mm.

Em Curitiba, a chuva deu trégua em apenas cinco dias do mês: dias 3, 4, 5, 7 e 15. Choveu na capital 303mm, enquanto a média histórica foi de 180mm.

2018 - TANOSITE - Todos os direitos reservados
plataforma desenvolvida por Rodrigo Campos (43) 9 8814-5432